logo-pillar-condominios

Grupo do Condomínio no WhatsApp: veja as nossas recomendações

Grupo-do-Condomínio-no-WhatsApp-veja-as-nossas-recomendações-1

É grupo de família, da faculdade, do trabalho, dos amigos de infância… e do condomínio! Depois que o aplicativo Whatsapp virou febre no Brasil e no mundo, é muito comum que condomínios utilizem o aplicativo como ferramenta de interação. Usar a tecnologia para facilitar a nossa comunicação, agilizar processos e resolver problemas pode ser uma boa ideia? Claro. Inclusive, a Pillar e outras empresas utilizam o recurso para várias situações, como até mesmo falar com clientes. Entretanto, é preciso alguns cuidados quando falamos de grupos de condomínios. Veja as nossas dicas abaixo!

“Mas fulano disse isso no grupo, então estou exigindo!”

O WhatsApp tem como característica a possibilidade de envio rápido de mensagens para muitas pessoas ao mesmo tempo por meio do grupo. Isso é ótimo, mas a conversa ali é oficial? Por exemplo, se o síndico emitir um comunicado pelo grupo, podemos considerar uma mensagem formal?

Para evitar desentendimentos, recomendamos que comunicados oficiais sejam feitos via e-mail, que é mais seguro e fácil de ser armazenado. No WhatsApp, as mensagens podem se perder e ficarem misturadas com outras conversas e não há a mesma segurança de armazenamento.

Importante: a convocação para reunião de condomínio possui regras próprias. Falamos sobre isso em outro artigo, clique aqui para conferir.

Defina o objetivo do grupo (e quem vai administrá-lo)

Alguém teve a ideia de criar um grupo no condomínio. A primeira pergunta a ser feita é: para qual objetivo?

As possibilidades são várias: facilitar a comunicação sobre fatos do condomínio, combinar caronas, avisar sobre movimentos suspeitos, sinalizar ocorrências, divulgar serviços entre vizinhos e muito mais. E o outro ponto importante: será administrado por moradores ou pelo síndico, ou seja, será uma ferramenta oficial do condomínio ou apenas um instrumento de comunicação informal?

Se oficial, é preciso:

  • Ser administrado pelo síndico;
  • Nunca ser uma ferramenta única de avisos formais, ou seja, o que for postado no grupo deve ser reforçado em outros meios de comunicação, como e-mail e circulares;
  • Possuir recomendações de uso. Ex.: não conter assuntos não relacionados ao condomínio, como mensagens de cunho político, religioso, de humor ou correntes.

Se não for oficial (o que é recomendado), não quer dizer que tudo está liberado. Em qualquer um dos casos, é preciso observar:

  • Bom senso, acima de tudo;
  • Evite questões polêmicas, como religião, política e piadas imorais;
  • Pornografia, nem pensar;
  • Evite assuntos aleatórios, correntes e compartilhamento de notícias que nada tem a ver com o condomínio;
  • Nem todo assunto do condomínio precisa ser tratado ali. Ex.: será que vale a pena reclamar do valor da taxa condominial no grupo ou esse é um assunto que deve ser discutido em assembleia? Com certeza, a segunda opção é a melhor resposta;
  • Viu algo errado e quer denunciar? Talvez tirar uma foto e postar no grupo seja uma ideia ruim. Fale com o síndico separadamente ou, se for alguma ocorrência de um morador, procure-o de maneira privada. Evite a exposição alheia e brechas para confusões.

Pauta, ata e andamento da assembleia

Uma dica preciosa para o bom andamento de uma assembleia no condomínio é organizar bem os assuntos a serem discutidos, inclusive com definição de tempo para cada tema. A ata pode ser redigida por outra pessoa que não seja o síndico ou subsíndico (presidente ou secretário da reunião, por exemplo, que são escolhidos antes do início da assembleia) por uma questão ética.

Sobre votações

– O número de votos deve ser representado por cada unidade, e não pessoas;
– O síndico pode votar apenas em temas que não estão diretamente ligados às ações dele;
– Caso haja empate em votações, o presidente da reunião define os critérios de desempate;
– Quem está inadimplente pode participar das assembleias, mas não pode votar.

Importante: Assuntos como orçamento das despesas e benfeitorias precisam de pelo menos ¼ dos votos de todos os condôminos (art. 25 da Lei do Condomínio) relativos a cada tipo de despesas e a maioria considerada para votações é de 2/3.

Concluindo

Assembleia em condomínio é algo muito sério! Por isso, não deixe de participar das reuniões de onde você mora ou trabalha. E, claro, conte sempre com o suporte da Pillar, sendo você síndico ou condômino.

Você também pode gostar de ler:

Entenda a diferença (e importância) entre Regulamento Interno e Convenção de Condomínio)

Este conteúdo é de propriedade da Pillar e foi produzido para ajudar a todos que têm interesse em questões relacionadas à gestão de condomínio. Por isso, fique à vontade para compartilhar, mas não se esqueça de citar a fonte, caso queria reproduzir o conteúdo em outras mídias.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sumário

Leia outros artigos:

Siga-nos nas redes sociais: